Brasil → Ele pode oferecer uma índice de vida melhor?!

Na última década, o Brasil fez progressos consideráveis ​​na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Nos últimos anos, o país ganhou uma experiência positiva de crescimento econômico equilibrado e redução da pobreza.

Apesar disso, o Brasil alcançou bons resultados apenas em alguns indicadores de bem-estar relativos à maioria dos outros países representados no ranking do Índice de uma vida melhor.

O Brasil apresenta resultados acima da média para atividade cívica, bem-estar subjetivo e laços sociais, mas abaixo da média para educação e habilidades profissionais, segurança pessoal. Esses resultados são baseados em dados de amostra disponíveis através do programa imposto de renda.

Pagamento de impostos

Apesar do fato de que a felicidade não pode ser comprada por dinheiro, eles são um meio importante de alcançar um padrão de vida mais alto. No Brasil, a renda anual ajustada líquida ajustada pela família após o pagamento de impostos per capita é inferior à média da OCDE (US $ 30.563 por ano).

Impostos

No que diz respeito ao emprego, cerca de 64% dos brasileiros de 15 a 64 anos têm empregos remunerados, abaixo da média da OCDE (67%). Entre os homens, cerca de 76% pagaram trabalho e 54% – para mulheres. No Brasil, 7% dos trabalhadores trabalham horas extras, o que é inferior à média da OCDE (13%), enquanto os homens extras trabalham com 9% de horas extras e, para as mulheres, 5%.

Boa educação e habilidades profissionais são pré-requisitos importantes para conseguir um emprego. 49% da população adulta brasileira entre 25 e 64 anos completou o ensino médio completo, bem abaixo da média da OCDE (74%). Isto aplica-se mais às mulheres do que aos homens, uma vez que 46% dos homens têm educação secundária completa e 52% das mulheres.

Qualidade de educação

No que diz respeito à qualidade da educação, no nível médio de alfabetização da leitura, conhecimento em matemática e ciências naturais, no âmbito do Programa Internacional de Avaliação de Alunos da OCDE (PISA), os estudantes obtiveram uma média de 395 pontos.

[su_list icon=”icon: chain”]

[/su_list]

Este resultado está abaixo da média da OCDE (486 pontos). A diferença no conhecimento baseado em gênero no Brasil é menor que a média da OCDE: as meninas registram 396 pontos e os meninos, 394 pontos, o que corresponde à diferença que existe, em média, para a OCDE. Essa diferença é de 2 pontos para as meninas.

Saúde pública

Em termos de saúde pública, deve-se notar que a expectativa de vida ao nascer no Brasil é de 75 anos, cinco anos a menos que a média da OCDE (80 anos). As mulheres têm uma expectativa de vida de 79 anos, homens – 71 anos.

Saúde Pública

Conteúdo no ar suspenso partículas PM 2,5, isto é, finos poeiras suficientemente pequenas para penetrar nos pulmões e causar danos para a saúde, é de 10,3 microgramas por metro cúbico, o qual está abaixo do valor médio da OCDE (13,9 microgramas por cúbico metro). O Brasil poderia mostrar melhores resultados em termos de qualidade da água, porque 72% da população está satisfeita com a qualidade de sua água, abaixo da média da OCDE (81%).

No que diz respeito à esfera pública, o Brasil tem forte senso de pertencimento à sociedade e alto nível de participação na vida civil: 90% da população brasileira acredita ter alguém em quem confiar em um momento difícil, que geralmente é a média da OCDE (89 %). O comparecimento dos eleitores (o indicador da participação dos cidadãos na vida política) durante a última eleição foi de 79%.

Esse indicador é superior à média da OCDE (69%) e reflete a prática do voto compulsório no Brasil. A participação de eleitores representando 20% dos estratos mais abastados da população é de 81%, enquanto entre 20% dos eleitores representando grupos de baixa renda é de 80%, com uma diferença muito menor que a média da OCDE (13%).

Em geral, os brasileiros estão satisfeitos com suas vidas ao nível da média da OCDE. Quando os entrevistados foram solicitados a classificar sua satisfação geral com a vida em uma escala de 0 a 10, os brasileiros, em média, deram uma pontuação de 6,6, o que geralmente corresponde à média entre os países da OCDE (6,5 pontos).

Esta entrada foi publicada em Finanças. Adicione o link permanente aos seus favoritos.